Para muitas pessoas, sentir dor de cabeça é algo corriqueiro e, na maioria das vezes, ao invés de procurar ajuda especializada, elas optam por tomar apenas um remédio. Essa atitude não é indicada e pode trazer prejuízos à saúde. Isso porque além dos riscos de tomar remédio sem orientação médica, ao se automedicar, você não descobre qual é, de fato, o seu tipo de dor de cabeça.

Pode parecer estranho falar em tipos de dor de cabeça, afinal, quando sentimos a cabeça doer, poucas vezes nos preocupamos com a origem da dor. Acontece que existem cerca de 200 tipos de dor de cabeça. Por isso, é importante procurar ajuda médica, pois apenas dessa forma é possível saber o que está causando esse problema.

Um dos tipos de dor de cabeça que mais afetam as pessoas é a cefaleia tensional. Ela é causada por contrações musculares involuntárias, inclusive dos músculos da mastigação. Esses movimentos levam ao apertamento inconsciente dos dentes e este comportamento é chamado de bruxismo de vigília (que ocorre durante o dia).

 

Como tratar a cefaleia tensional sem remédios?

Existe uma série de tratamentos alternativos que podem te ajudar a aliviar a dor de cabeça assim que ela surgir. Fazer compressas quentes, por exemplo, é uma das formas de aliviar as dores causadas pela cefaleia tensional. Isso porque o calor vai relaxar os músculos e diminuir as dores.

As massagens e a fisioterapia manual também são alternativas que reduzem a tensão dos músculos e eliminam a dor de cabeça temporariamente. Tem ainda a acupuntura: uma técnica milenar que atua realinhando o fluxo de energia no corpo e aliviando a cefaleia.

Todos esses tratamentos são alternativas para quem não quer tomar remédios, porém, eles são sintomáticos e tem um efeito temporário. Como não atuam diretamente na origem da dor, a cefaleia acaba voltando e esses procedimentos precisam ser repetidos.

 

Tratamento LIVA: uma solução simples e inovadora

O tratamento LIVA também tem tido bastante sucesso entre aqueles que sofrem com a cefaleia tensional causada pelo bruxismo de vigília. Isso porque o tratamento é eficaz e não invasivo. A técnica é relativamente nova, está no mercado desde 2015. Entretanto, para chegar nele foram anos de estudos do Dr. Alain Haggiag.

Em seu consultório, o Dr.Alain  percebeu que havia um elemento em comum entre os pacientes que se queixavam de cefaleia tensional: o apertamento inconsciente dos dentes durante o dia.

Sendo assim, o Dr. Alain Haggiag passou a estudar formas de tratar esses apertamentos e desenvolveu um dispositivo interoclusal, o DIVA®: uma mini placa que fica presa nos dentes posteriores do paciente.

Esse dispositivo monitora, em tempo real, os apertamentos dentários, tornando essa ação consciente, o que ajuda na reversão desse hábito. A ideia é que, a partir do uso do dispositivo (DIVA®), o paciente se reeduque e elimine gradativamente essa hiperatividade e, consequentemente, a cefaleia tensional.

 

Tratamentos alternativos X Tratamento LIVA

Se você sente esse tipo de dor de cabeça, deve estar se perguntando: mas qual desses tratamentos é o melhor? A resposta depende do que você busca. Se você procurar apenas por uma solução momentânea, os tratamentos alternativos podem te ajudar. Porém, tenha em mente que essa solução não vai tratar a origem do problema.

Um exemplo disso é a compressa. Ela trata apenas a dor de cabeça, mas não os seus apertamentos dentários que são a origem do problema. Sendo assim, a cefaleia tensional sempre vai voltar, pois os tratamentos alternativos não visam a eliminação da dor e sim o alívio imediato.

Quando a sua dor de cabeça é causada pelo bruxismo de vigília, é fundamental se reeducar: só assim os apertamentos vão acabar. Portanto, se você busca uma solução permanente, a melhor opção é o tratamento LIVA. Além disso, diferente dos tratamentos alternativos que precisam ser repetidos com frequência – pois a dor acaba voltando -, o tratamento LIVA dura em media 90 dias.

As dores de cabeça causadas pelo bruxismo de vigília prejudicam muito a sua rotina, pois aumentam o estresse, a ansiedade e a tensão. Por isso, é fundamental procurar ajuda médica. Não perca tempo e consulte um de nossos especialistas.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *